Hey Ho Lets Go Minha Semana Como Um Ramone

From Phonographic Science
Revision as of 23:37, 23 March 2019 by Jacobsnoble1 (talk | contribs) (Created page with "<h1>A Adoção De Quatro Cordas</h1><br /><br /><p>Eu pela guitarra e Marky Ramone pela bateria: Uma experiência musical emocionante e inesquecível. S...")
(diff) ← Older revision | Latest revision (diff) | Newer revision → (diff)
Jump to: navigation, search

A Adoção De Quatro Cordas



Eu pela guitarra e Marky Ramone pela bateria: Uma experiência musical emocionante e inesquecível. Sim, o título deste texto é uma homenagem à autobiografia do baterista Marky Ramone, ‘Minha Vida como um Ramone’, à venda nas livrarias de todo o país.



Próximo a outros ídolos do rock, Marky Ramone faz cota da minha existência desde que sou jovem. Pela última semana, não obstante, ele saiu dos meus alto-falantes e invadiu meu dia-a-dia. Não preciso nem falar que foi uma das melhores coisas que aconteceram comigo musicalmente desde que aprendi a tocar guitarra, aos 10 anos. AULA DE VIOLINO começou no estúdio da rádio 89 FM, a Rádio Rock, onde apresento o programa MRossi Rockshow, ao lado de MRossi e Fabiano Carelli. Marcelo Rossi, criador e idealizador do programa, é um dos maiores fotógrafos da história do rock brasileiro e um camarada de mais de vinte e cinco anos.



Fabiano Carelli é um guitarrista incrível que toca no Capital Inicial e, embora eu o conheça há menos tempo, agora posso expressar que assim como agora é um extenso amigo. Há novas semanas, Marcelo chegou no estúdio com uma grande notícia: um convidado muito especial participaria da festividade de comemoração de 6 meses do programa. Ninguém mais, ninguém menos do que Marky Ramone, baterista que entrou pra história do rock como integrante da banda que ‘simplesmente’ concebeu o punk: Ramones. Como Tocar Piano do punk, e quando digo 'punk', não estou postando sobre aquela armação chamada Sex Pistols, a quem o respectivo Marky chama de 'Boy Band'.



No final das contas, o Sex Pistols só existiram por causa de o empresário Malcolm McLaren frequentava a moradia noturna CBGB em Nova York e percebeu que bandas como Ramones e Richard Hell seriam a 'próxima onda'. Quando topou vir pro Brasil, Marky concordou em não só participar do programa, contudo fazer um show na festividade do programa ao lado de músicos brasileiros. Aprenda A Correr Pela Velocidade Do Som , eu e o Fabiano nas guitarras.



Hey Ho Let’s Go! Artesanato: Cerâmicas, Rendas E Outros Tipos De Artesanato Brasileiro os ensaios pouco depois. A ideia era ensaiar com um baterista que soubesse tudo sobre isto Ramones, no fim de contas teríamos pouco tempo para ensaiar com Marky em pessoa. Quem encarou o estímulo foi outro enorme amigo, Guilherme Martin, que toca comigo no VIPER e no meu projeto solo.



É claro que tinha que ser o Mingau do Ultraje à Rigor, um dos primeiros baixistas a tocar punk no nação. Nos vocais, Dinho Ouro Preto, Supla e João Gordo. A única recomendação que o Marky passou para a banda: os guitarristas teriam que tocar apenas ‘downstrokes’, ou melhor, só palhetadas ‘para baixo’ nas cordas.











  • Não deixe o tédio desencorajá-lo








  • Corda dois = B








  • Frank Gambale








  • Roupas de lã e algodão não necessitam ser expostas ao sol sem a proteção de toalhas sobre elas








  • dois Os sons da série harmônica













Explico: o som dos Ramones vinha deste tipo destrutivo e direto inventado pelo guitarrista Johnny Ramone. Tivemos que nos encaixar, visto que é muito difícil fazer isto absolutamente o show inteiro - o Fabiano que o responda, cujos dedos chegaram a sangrar durante um ensaio.



Depois de alguns ensaios, ficamos sabendo quando Marky chegaria ao Brasil: dia vinte e cinco de abril, domingo. Corri pra livraria mais próxima e comprei a autobiografia de Marky, ‘Minha Vida Como um Ramone’. Ambientado na Nova York dos anos 1970 e abundante em histórias e ‘causos’, o livro é divertido e apaixonante para cada fã de rock. Devorei as quatrocentos páginas em 3 dias e virei um expert ainda maior em Ramones.